Políticas para Negros/as

Políticas para negros/as que valorizem a identidade e promovam a igualdade

Um dos principais problemas que ainda afligem nossa sociedade é o racismo. Ele é condutor de diferentes tipos de preconceitos e discriminações as quais vivemos no dia-a-dia. A abolição da escravidão, em 1888, não promoveu políticas de inclusão de negros/as no trabalho, na educação e na assistência social. Pelo contrário, o que se viu nos anos pós-abolição foram políticas evidentemente embranquecedoras e a expulsão deliberada dos negros das regiões centrais das grandes cidades. E é por isto que pretendemos:

1) Formular e promover políticas de formação contra o racismo institucional para agentes das políticas públicas (profissionais da saúde, educação, assistências sócias e segurança pública);

2) Elaborar proposta de cotas nos concursos públicos, incluindo os concursos para o Judiciário – as cotas raciais para ingresso na magistratura são fundamentais para mudar a cor dos que ocupam estes espaços de poder, mas, principalmente, para transformar a visão que o próprio Sistema de Justiça tem das populações pobres e negras deste país;

3) Propor ações para a efetivação da Lei nº 10.639 e da Lei nº 11.645 na rede estadual de educação de São Paulo como condição essencial para a desconstrução de estereótipos e preconceitos históricos produzidos sobre esta população – um povo jamais saberá pra onde ir se não conhece de onde veio; e

4) Propor ações, inclusive campanhas públicas, de combate à discriminação e à violência contra as religiões de matrizes africanas.