Educação para Cidadania

Educação para a cidadania e os direitos humanos

A educação não pode ser um instrumento de reprodução das desigualdades sociais, raciais e de gênero e da violência a elas vinculada. O projeto pedagógico e estrutura das escolas precisam estar voltados para o desenvolvimento humano. E isto só se consegue com uma educação libertária e emancipatória. Assim, nossa candidatura:

1) Combaterá veementemente o projeto “Escola Sem Partido”, que representa a escola de pensamento único e persegue educadores/as – acreditamos que a escola é espaço de liberdade, diversidade e pensamento crítico;

2) Trabalhará pela superação da lógica meritocrática e ranqueadora que relaciona qualidade exclusivamente a bons índices nas avaliações de larga escala – acreditamos que escola de qualidade é aquela que tem autonomia pedagógica, projetos, democracia, respeito aos direitos e a diversidade;

3) Formulará políticas de retomada da discussão de gênero e sexualidade nas escolas e ações de enfrentamento ao machismo, à violência contra a mulher e à cultura do estupro;

4) Trabalhará pela valorização das professoras da educação básica, com reconhecimento profissional e valorização salarial – acreditamos ser fundamental superar a visão machista que subvaloriza e desrespeita as profissionais;

5) Propor políticas de formação de educadoras e educadores para superação do machismo, racismo e lesbo-transfobia – escola não deve ser lugar de reprodução de preconceitos;

6) Atuar na defesa do Hospital Universitário (HU) e das creches na USP como espaços de formação e extensão universitária – somos contra o desmonte e a privatização da USP; e

7) Formular políticas de assistência estudantil ampla para estudantes de baixa renda e também para universitárias que são mães durante o período de graduação e pós-graduação.